Marketing Digital Político

A internet tem ganhado muita força nas decisões das pessoas e certamente este artigo vai trazer juntamente com a discussão sobre essa influência e transformação com o passar dos anos. Definitivamente toda a pesquisa teve uma motivação pessoal pelo interesse de estudo sobre o marketing digitale isto poderá ajudar muitas pessoas que desejam entender o assunto em questão uma vez que com a metodologia, foram estudados diversos conteúdos.

A democratização da internet

marketing digital político

Marketing digital político

Na década de 90 aconteceu o surgimento da internet e com isso gerou uma facilidade de conexão entre as pessoas. Em 1995, nos Estados Unidos e no Canadá, surgiu a primeira rede social chamada Classmates, que veio com um objetivo muito básico e simples que era de apenas conectar os estudantes da faculdade, porém hoje, se transformou em uma imensidão. O Facebook, atualmente uma das redes sociais mais famosas do mundo, foi criado em 2004 por alguns estudantes de Havard: Marck Zuckerberg, Eduardo Saverin, Chris Hughes e Dustin Moskovitz e atualmente a rede ultrapassa os 1 bilhão de usuários no mundo todo. No mesmo ano, um Turco que trabalhava na empresa Google desenvolveu o Orkut.

A rede foi criada para a população dos Estados Unidos mas foram os brasileiros que o adotaram chegando a 32,7 milhões de usuários apenas no Brasil, o que dá em três vezes mais que o Facebook, na época, mas como tudo precisa sempre estar inovando e a rede Orkut não fez isso nesse ínterim acabou perdendo os seus usuários para o Facebook e totalmente esquecido pela Google e colocando fim à plataforma.

Outras redes também surgiram nessa mesma época como o LinkedIn, o Twitter e logo mais à frente, em 2010, surgiu o Instagram, que vem se consolidando cada vez mais.

Neste artigo, vamos fomentar a discussão do tema citado, a utilização das mídias sociais nas eleições bem como a influência da internet na decisão das pessoas nas eleições e ao mesmo tempo apresentar também uma forma de comunicação que a cada ano que passa ganha mais força, confiança e credibilidade. Alguns presidentes subiram aos respectivos cargos com base na utilização dessas mídias para propagar suas ideias, ideologias, propostas, etc. Será apresentado suas técnicas de marketing digital e persuasão para conseguir gerar uma conexão com os usuários da internet, sendo de grande proveito para empresas de comunicação que queiram utilizar dessas mesmas técnicas ou apenas ter conhecimento sobre elas.

Primeiro presidente eleito utilizando o marketing digital

Barack Obama ganha eleições com marketing digital

Marketing digital político

Barack Obama estudou ciências políticas na Universidade da Columbia e depois se formou em direito em Harvard, logo após foi o primeiro afro-americano a se tornar editor/presidente da Havard Law Review. Enquanto cursava, executou vários trabalhos voluntários, como ajudar estudantes a ingressarem na faculdade, entrar no mercado de trabalho e a defender os direitos dos inquilinos. Depois, foi professor na Universidade de Chicago e trabalhou em escritórios de advocacia. Em 1997, disputou pelo Partido Democrata nas eleições para o Senado Estadual de Ilinois onde foi reeleito até 2004, onde nesse mesmo ano, obteve uma cadeira no Senado dos Estados Unidos.

Apesar de Barack Obama ter uma história de vida impressionante, muitos não o conheciam no estado de Ilinois. Nos Estados Unidos qualquer pessoa pode se candidatar à presidência, mas existe uma questão de estrutura, sendo bem polarizado entre os partidos Democrata e Republicano. Barack Obama, como milhares de cidadãos, tentou usar o nome “Clinton” e seu favoritismo em suas campanhas dentro do próprio partido. Do outro lado, ele tinha uma mulher com grande poder, Hillary Clinton, que tinha uma atuação já conhecida como senadora por Nova Iorque, formada em direito, e ainda ex-primeira-dama, atuante do governo de Bill Clinton, o poder de persuasão dela era enorme se comparado com de Obama. Toda a campanha da Hillary Clinton estava preparada com envios de mala direta, e-mails, telemarketing e anúncios de TV e rádio, tudo para convencer que ela era a melhor candidata republicana para concorrer contra John McCain, o nome republicano para as eleições em 2008.

Barack Obama, foi indicado pelo partido Democrata, e então começou o processo de marketing para promover seu nome, ele não poderia utilizar meio caros e precisava difundir sua mensagem de forma rápida. O estrategista da campanha do Barack Obama e co-fundador do Facebook, Chris Hughes, em um trecho do livro chamado Inbound Marketing, ele aborda de forma resumida quais ferramentas foram utilizadas para a campanha e que de certa forma foi muito bem pensada e extremamente planejada para que conseguissem o efeito correto de inbound marketing.

“[..] foi para ajudar os indivíduos a entender os valores de Barack Obama e de nossa campanha e tornar o mais fácil possível a eles que se engajasse com o trabalho da campanha. Tentamos abrir a maior quantidade de canais diretos de comunicação possíveis – usando emails, mensagens de texto, redes online – e equipá-los com ferramentas para divulgar a mensagem da campanha usando tecnologia de rede tais como My.BarackObama.com e Facebook.” (Inbound Marketing, capitulo 1, p. 8)

Primeiramente, na campanha do Obama textos e vídeos foram trocados por cadastros, gerando uma lista de e-mail e com isso utilizaram de newsletter, com informações úteis de novidades de campanha, propostas, discussões com a sociedade e materiais ricos, o que consiste basicamente no inbound marketing. A maior vantagem de todas com relação às campanhas que seriam realizadas por Hillary é que, a campanha de Barack tinha uma capacidade de mensuração enorme. A equipe dele conseguia visualizar os níveis de participação e relação com o conteúdo entre os 30 milhões alcançados pelo conteúdo digital.

Já os marketeiros dos concorrentes, por mais competentes que fossem, dificilmente teriam tanta precisão em dizer qual foi o impacto de um anúncio de TV exibido e saber se a mensagem foi bem aceita pela população, podendo ou não alterar e ainda realizar outros planos por não haver nenhuma métrica. Durante a mesma campanha eles lançaram um slogan, Yes, we can, com isso o cantor e músico William do grupo The Black Eyed Peas, utilizando muitas pessoas influentes gravou um vídeo utilizando falas do Barack Obama nos seus discursos no videoclipe, viralizando o mesmo em todo o mundo.

Toda a estratégia de comunicação através das mídias sociais por Barack Obama funcionou e funciona até os dias de hoje, tanto que o fez ganhar a eleição, se tornando o 44º presidente dos Estados Unidos.

Primeiro presidente do Brasil eleito com o marketing digital político

marketing digital político
Presidente Jair Bolsonaro com a faixa presidencial

Marketing digital político marketing digital político marketing digital político

Jair Messias Bolsonaro cursou a Escola de Cadetes do Exército e em seguida a Academia Militar das Agulhas Negras, sua carreira teve sequência na Infantaria Paraquedista, onde se especializou em paraquedismo. Em 1986, servindo como capitão no 8º Grupo de Artilharia de Campanha, ganhou uma repercussão nacional com um artigo que foi escrito pelo mesmo, como “O salário está baixo”, e foi publicado na revista Veja, tomando uma proporção muito grande resultando até em sua prisão por infringir o regulamento disciplinar do Exército. Pouco tempo após esse caso, a mesma revista trouxe uma reportagem apresentando um plano para explodir bombas em várias unidades da Vila Militar. Em 1988, foi levado a julgamento, sendo afastado dos quadros do exército.

Todo esse alvoroço de Jair Bolsonaro contribuiu para que ele fosse eleito para Câmara Municipal do Rio de Janeiro, logo após 2 anos foi eleito na Câmara Federal. Em fevereiro de 2014, publicou em seu Youtube um vídeo que viralizou tendo mais de 3 milhões de visualizações no vídeo original, mesmo existindo a cópia de conteúdo que foi também bastante difundido nos grupos de Whatsapp e Facebook. Com isso podemos ver também o crescimento das redes sociais, o Youtube tem um aumento de 25% de visualizações, chegando a um número de 4 bilhões de usuários em sua rede por dia, de acordo com site Olhar Digital.

“[..]apenas nos últimos 8 meses, a página teve 25% de crescimento em visualizações, chegando a um número de 4 bilhões por dia. Muita coisa, né?” (Olhar Digital, 2012.)  

  Em 2018, o número de pessoas que utilizam a internet no Brasil aumentou absurdamente, passando de 64,7% para 69,8%, chegando a quase 10 milhões de novos usuários na internet, com isso tem um aumento significativo de usuários nas redes sociais, em 2017 havia pelo menos 2,46 bilhões de pessoas que utilizavam as redes sociais e um terço dessa população acessa pelo menos uma vez por mês alguma rede social de acordo com o eMarketer. A Internet propicia uma comunicação entre muitos e para muitos, talvez porque pessoas podem interagir pessoas, neste meio é que teóricos como Pierre Levy consigam ver na Internet um futuro democrático para a humanidade. Outros teóricos inegavelmente veem na internet o surgimento de uma grande transformação política, através do surgimento, não de uma democracia, mas de uma tecnocracia, onde a técnica comanda tudo e todos. Levy defende essa técnica abordada por outros teóricos.

“Por trás das técnicas agem e reagem ideias, projetos sociais, utopias, interesses econômicos, estratégias de poder, toda a gama dos jogos dos homens em sociedade. Portanto, qualquer atribuição de um sentido único à técnica só pode ser dúbia.”(Pierre Levy, Cibercultura, p.24)

Jair Messias Bolsonaro não compreendia todas essas técnicas e a fomentação que isso poderia causar em sua candidatura quando começou a ganhar audiência e a influenciar as pessoas através das mídias sociais. Após ele ter esse destaque por suas características de agressividade e discursos de ódio contra a criminalidade brasileira certamente encontrou apoio por humoristas do programa pânico que em março de 2017 começaram a fazer brincadeiras com as características do próprio Bolsonaro, tornando natural o impulsionando nas mídias sociais, em seguida, o mesmo começou a crescer e a utilizar redes sociais como Twitter, Instagram e Youtube para se promover. Em 2018, Jair Messias Bolsonaro conseguiu se eleger como o 38º presidente do Brasil utilizando também de técnicas e estratégias de inbound marketing, sendo muito parecidas com as estratégias utilizadas por Obama, visando também o não gasto em mídia off-line.

Marketing digital político elegeu os dois presidentes

Hoje, após conhecer muitas estratégias e técnicas de inbound marketing, pode se notar algumas similaridades entre as duas campanhas e que os diferenciaram em relação a comunicação com todos os outros candidatos.

Ambos utilizaram de conexão com as pessoas, os usuários de internet, e por consequência não gastaram muito dinheiro em suas campanhas de eleição, os custos para impulsionarem publicações e para administrarem uma rede é extremamente baixo, além de que a comunicação é rápida e de fácil difusão entre usuários. Ambos puderam ter uma mensuração de como suas campanhas estavam indo podendo ou não, altera-las quando necessário, sabendo se estão sendo recebidas suas mensagens pelos usuários, para aumentar o engajamento, enquanto os outros não podiam ter essa mensuração exata de como estava o andamento de suas campanhas.

Outro ponto que é de extrema importância, são as fake news. Na época das eleições de Barack Obama não era forte essa questão mas no Brasil esse termo foi muito discutido, pois a facilidade e velocidade em que as mensagens eram difundidas acabavam sendo aproveitadas para se propagar notícias falsas, não somente sobre o Bolsonaro, como de todos os candidatos e todos saíram muitos prejudicados, com suas imagens manchadas por falsas notícias, muitas das vezes criadas por usuários aleatórios ou por militantes partidários.

No Brasil não existe uma lei que consiga ter uma ação de punição por uma notícia falsa, apesar de que a pessoa que sinta sua reputação atacada pode recorrer por seus direitos, porém com máximo de penalidade ao propagador da falsa notícia de apagar o conteúdo ali exposto, que no caso das eleições não resultaria em muitas ações, pela questão da difusão da mensagem.

Nas eleições de 2018 os candidatos aproveitaram da oportunidade da difusão da mensagem para levar a verdade sobre a mentira contada com a intenção de enganar os eleitores. Com aumento dessas notícias não verdadeiras, está em tramitação no congresso, alguns projetos de lei como o 473, do Senado, e os projetos 9554, 8592 e 6812 tipificam a divulgação de informação falsa ou incompleta de diferentes formas. O que todos aparentam ter em comum é o potencial de violar a liberdade de expressão, pois a eventual criminalização da produção e difusão deste conteúdo pode, com facilidade, converter-se em ato eventualmente caracterizado como censura.

Ambos os candidatados tiveram suas campanhas pelas mídias sociais, que exigiam uma linguagem e técnicas totalmente diferentes da que outros candidatos de eleição estão acostumados, e isso resultou em muito engajamento pois a linguagem é a mesma para todos na internet, e isso acabou gerando uma grande conexão entre os candidatos e eleitores.

Apesar de algumas redes como Facebook, Google, Instagram não se verem no posicionamento de avaliadores de conteúdos disponibilizados em suas plataformas, elas vieram tendo uma iniciativa no sentido de avaliar quanto de coibir práticas que podem ser enquadradas como abusivas em suas redes, buscando penalizar os usuários de alguma forma, seja apagando o conteúdo postado, excluindo a conta do usuário que difundiu a mensagem ou de outras formas. Com tudo isso, o Facebook em maio de 2018 fechou uma parceria com Aos Fatos e Agência Lupa para verificar conteúdos denunciados em sua plataforma. 

Em 2009, depois da eleição de Obama, foi lançado o Whatsapp, e apenas 4 anos atrás ele obtinha 38 milhões de usuários e que hoje após ser comprado pela rede social Facebook obtém apenas no Brasil mais de 71.7 milhões de usuários, e por ser mais íntimo, sendo uma troca de mensagens entre duas pessoas, um grupo de amigos ou familiares, o Whatsapp se reproduz mais que as outras redes sociais por ter uma interação social tradicional que todas as pessoas conhecem e utilizam, baseado na relação de confiança entre os usuários. Sendo isso um dos pontos decisivos nas eleições de 2018 no Brasil, pois muitas mensagens foram trocadas na época de eleição, fazendo com que muitos eleitores mudassem de ideia ou de opinião sobre um ou outro candidato.

Desde o surgimento das redes sociais ou até mesmo da internet, podemos ver com o decorrer dos anos, sua constante evolução, e não é de se negar que a televisão e os outros meios de comunicação off-line tem grande força e credibilidade entre os receptores que é quem recebe a mensagem.

Em toda a pesquisa, fica evidente que a internet e em especifico as mídias sociais tem grande influência sobre as pessoas e tem um poder de disseminação de mensagem absurdamente grande que por muitas vezes é quase impossível controlar, e ainda mais quando se trata sobre as eleições, e futuramente, aumentará mais ainda esses pontos, pois, qualquer pessoa consegue construir uma autoridade, criar conteúdo com facilidade e se posicionar na internet com poucos recursos e ainda por cima ter o controle de quantas pessoas estão recebendo suas mensagens, o que é de extrema importância para conseguir ter persuasão sobre os usuários.

Pode ser notado também que ambos os presidentes que conseguiram chegar ao poder utilizaram da técnica conhecida como inbound marketing, que consiste em criar e entregar bastante conteúdo para conhecimento dos usuários ou melhor eleitores sobre suas propostas, erros do governo, ideologias, dentre muitas outras coisas que assim os ajudaram bastante no processo de conquista de seus cargos.

O objetivo foi mostrar que o mundo está em constante evolução juntamente com a Internet e que nele estão as redes sociais. Se os futuros candidatos à presidência ou qualquer cargo político não se adaptarem a elas poderão então se acostumar com a perda de votos e até mesmo na perda da eleição por completo, além de apresentar para aqueles que são da área de comunicação a força que a Internet apresenta e sua grande influência sobre os usuários, principalmente nas eleições, que muitas coisas mudam de uma comunicação off-line para online, eque técnicas podem ser utilizadas e mensuradas a partir do online.


Gutemberg Fernandes
Gutemberg Fernandes

CEO Founder da Conexão Marketing, 12 Anos de experiência em Estratégias Digitais, co-autor do método Growth CNX, apaixonado por métricas e geração de resultados. Líder do time de prospecção inbound.

Conexão Agência Digital

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado