Geração de tráfego com mídia paga e cebola. Afinal o que uma coisa tem a ver com a outra?

Geração de tráfego com mídia paga e cebola. Afinal o que uma coisa tem a ver com a outra?

O que eu acho mais importante em uma estratégia de tráfego para a sua empresa é entender a hierarquia dos públicos.

O que eu quero dizer com isso é que se você já tem um negócio, você já tem clientes. Tendo consumidores, é muito importante você pegar os e-mails dessas pessoas e subir essa lista na ferramenta de gerenciamento de anúncios do Facebook e do Instagram.

É aí que começa a relação do tráfego com a cebola, pois essa hierarquia funciona como as camadas desse alimento.

Como criar a estratégia de geração de tráfego

Para começar sua estratégia eu sugiro que você crie uma ação específica para quem já é seu cliente e também para quem segue suas redes sociais. O objetivo aqui será simples: gerar recorrência.

Então, depois de subir a sua lista de e-mails no Facebook e no Instagram, você vai segmentar seu anúncio dizendo que quer mostrá-lo apenas para essas pessoas e para as que te seguem.

Essa é a primeira camada da cebola. Então, invista uma verba e aposte nessa recorrência.

Depois, vai chegar uma hora que qualquer campanha, inclusive no Google, atingirá um limite e você será informado que a ferramenta não consegue mais gastar sua verba.

Ou seja, todos foram impactados nessa primeira segmentação. Assim, é o momento de você expandir esse alcance e definir um novo público: o semelhante.

Dessa forma, a plataforma automaticamente entenderá que deve gerar tráfego falando com as pessoas que possuem um perfil comportamental parecido com aquelas que você já impactou.

Quais os benefícios da segunda camada da cebola

Bom, essa mudança na sua campanha garante alguns fatores importantes quando se fala em tráfego e em investimento nessa estratégia:

  • Ajuda o Facebook e o Instagram a encontrarem as pessoas certas para você;
  • Reduz o custo por clique, lead ou por interação;
  • Encontra um público qualificado mais facilmente;
  • Expande o alcance da campanha, tendo mais comentários e engajamento;
  • Permite a identificação de comportamentos do público;
  • Gera feedbacks para definir as próximas ações, mercados e etc.

Não se esqueça de nessa parte da hierarquia segmentar também por região, usando um raio máximo de distância da sua loja, por exemplo, ou focando em uma cidade. Caso atenda nacionalmente, atue a nível Brasil.

Nesse segundo momento, você encontrará pessoas que vão comprar de você ou apenas começarão a te seguir. Assim, se vai para a terceira camada.

A terceira camada da cebola

Agora é a hora de você mais uma vez usar a estratégia do público semelhante, com foco no que aprendeu com o novo tráfego.

Dessa maneira, você seguirá criando as camadas e as hierarquias de público, dando nomes e características para cada um deles.

Com isso, você poderá testar o que dá mais certo e expandir cada vez mais para ver até onde você pode ir, até chegar em um nível de estabilidade e maturação do público-alvo.

Respeitando as hierarquias você consegue aos poucos ter uma persona mais refinada e melhorar a qualidade dos leads e consumidores. E, claro, dos anúncios.

Dúvidas comuns na geração de tráfego com mídia paga e cebola

Muita gente me pergunta: “Gutemberg, tem necessidade de eu investir em mídia paga para um público que já me segue?”.

Sim, tem! Hoje existe uma quantidade absurda de informação circulando nas redes sociais e isso faz com que as pessoas não consigam consumir tudo que recebem.

Lá em 2012, 2013, por exemplo, não se tinha o costume de produzir, mas sim de acessar conteúdos. Então, era mais fácil a interação, pois todo mundo via tudo o que era postado.

Porém, agora, a internet evoluiu, o tempo passou e as pessoas começaram a produzir conteúdo, aumentando a disponibilidade de informações. Entretanto, a capacidade de consumo não acompanha isso.

Assim, os algoritmos das grandes redes precisam fazer um balanço para definir para quem irão mostrar um conteúdo.

Com isso, o alcance orgânico, ou seja, gratuito, diminui muito. Se você já trabalha com redes sociais há algum tempo, deve ter percebido essa queda na entrega.

Portanto, é importante sim investir uma verba em tráfego para quem já é cliente ou seguidor, para aumentar a recorrência.

Depois, refina os passos e públicos para que você em um determinado período consiga tê-los de forma definitiva.

Na internet, não tem “bala de prata” e resultado rápido. Tem teste, análise e execução. Teste, análise e execução. Então, vá refinando seu público ao longo de um semestre, de um ano.

Aí, no longo prazo, com tudo bem azeitado, testado e com métricas bem amarradas, você consegue resultados muito superiores aos das pessoas que não fazem esse exercício. Não tente vender em um passo só. Analise dados, aprenda com eles, tente de novo e não se frustre. Tenha uma estratégia de geração de tráfego e ajude as ferramentas a encontrarem o seu público ideal. Assim você terá os resultados que espera.

Gutemberg Fernandes

CEO Founder da Conexão Marketing, 12 Anos de experiência em Estratégias Digitais, co-autor do método Growth CNX, apaixonado por métricas e geração de resultados. Líder do time de prospecção inbound.

Deixe uma resposta