Como otimizar seus recursos de marketing com a metodologia “growth hacking”

Como otimizar seus recursos de marketing com a metodologia “growth hacking”

E aí, galera! Tudo beleza? Hoje vou explicar o conceito de growth hacking

Afinal, vocês sabem que o mercado de marketing é cheio de termos em inglês que, muitas vezes, dificultam a vida.

Desde 2007, somos uma agência focada em resultados. Por isso, esse conceito é tão importante para nós e também deveria ser para o seu negócio.

Então, se você ainda não conhece essa metodologia já se prepara pra ler este artigo até o final e começar HOJE a mudar a história do seu negócio. Bora lá?

O que NÃO é growth hacking

Em primeiro lugar, é bom deixar claro o que não tem nada a ver com o growth hacking. Assim, não confunda essa estratégia com:

  • Burlar sistemas;
  • Criar uma fórmula mágica;
  • Solução fácil;
  • Ganhar dinheiro sentado na praia.

Onde surgiu o growth hacking

Bom, entendido o que não pode ser confundido com growth hacking, o conceito refere-se a estratégias que ajudam o seu negócio a crescer mais rápido. 

Ou seja, a superar a própria estimativa de crescimento e acelerar a obtenção de resultados. 

Isso é feito através dos “hacks”, os insights que você consegue capturar quando acompanha os resultados. Além disso, com o uso de recursos que você já tem. 

Então, o termo refere-se à busca por soluções mais baratas, ágeis e de maior impacto na performance. Tudo, com base em fatos!

Assim, em um mercado com concorrência cada vez maior, literalmente, sua empresa cresce ou morre. 

Para isso, é preciso muito estudo, teste, experimentação acelerada e colher dados importantes para aplicar no próximo ciclo. Afinal, o resultado nunca é imediato.

Dessa forma, se usa todo o funil e diferentes canais para crescer rápido e com baixo custo. 

A origem da expressão growth hacking foi em 2010, por Sean Ellis, considerado o “pai” da aplicação do método. 

Com seu olhar “fora da caixa”, ele percebeu que as empresas que tinham um crescimento acelerado possuíam características em comum. Assim, entre elas estão:

  • A realização de um marketing fora do tradicional. Ou seja, com divulgação inovadora;
  • O uso de equipes multidisciplinares e focadas em crescimento. Geralmente, com perfil criativo;
  • A análise profunda de dados e métricas com otimizações feitas a partir desse estudo;
  • Foco na melhoria contínua e sustentável, sem “achismos”.

Da mesma maneira, é preciso entender os motivos pelos quais a metodologia deve ser aplicada:

  • O crescimento é resultado de várias ações que geram resultados. A famosa “bala de prata” é muito rara;
  • Com o growth hacking se pode experimentar vários modelos ao mesmo tempo e chegar ao que realmente funciona em menos tempo;
  • Com o growth hacking se pode experimentar vários modelos ao mesmo tempo e chegar ao que realmente funciona em menos tempo;
  • Sempre dá origem a aprendizados e acúmulo de conhecimento. Inclusive, quando o resultado não é tão positivo.

Quais são as aplicações da metodologia

Então, até aqui tudo bem, né? Hora de ir para a parte prática da coisa. Para começar, a aplicação do growth hacking passa pelo seguinte processo:

  1. Identificação e definição do problema que precisa ser resolvido;
  2. Lista de ideias do que pode auxiliar na resolução;
  3. Priorização de ideias. Também categorizando-as por Impacto, Confiança e Facilidade de implantação;
  4. Desenho ou descrição das ideias com maior capacidade de darem certo;
  5. Execução;
  6. Análise de performance;
  7. Definição dos próximos passos.

Ou seja, você precisa ter um começo e um fim para colocar ele em prática. Depois, deve ajustar o seu funil de vendas, de acordo com os resultados medidos e repetir o ciclo. 

Assim, se vão criando diferentes frentes para alcançar o crescimento desejado (acelerado).

3 cases de sucesso da Conexão

Agora, quero compartilhar com vocês alguns experimentos de growth hacking que fizemos aqui na Conexão e que deram certo.

1) Problema: uma escola que não conseguia gerar Leads

Bom, com base no passo a passo que você aprendeu acima, tivemos um cliente aqui com dificuldade para gerar leads.

Então, listamos as ideias e priorizamos a geração de lead por um evento gratuito. Criamos anúncios criativos, diferenciados e uma logística específica para o evento.

Em 3 meses de experimentação, a escola conquistou 700 contatos e conseguiu fechar 22 vendas.

2) Problema: não conseguia identificar o público comprador

Em segundo lugar, outro cliente que precisava lançar um produto novo não fazia ideia do perfil de quem iria comprar sua ideia.

Assim, fizemos um estudo profundo das interações do público existente e montamos uma segmentação. 

Depois, criamos o funil, o conteúdo de pré-lançamento e focamos em conversão (olha o growth hacking aqui). 

Com vídeos e anúncios muito focados, a cada Real gasto, R$ 10 voltavam em vendas. 

3) Problema: encontrar alunos para academia

Enfim, também tivemos o caso de uma academia que estava tendo dificuldade para conquistar novos alunos.

Assim, fizemos uma lista com 10 possíveis soluções e priorizamos o insight de mapear o público que interagia com o site e a fanpage.

Com base nessa identificação, criamos anúncios criativos e específicos para essa persona. O resultado? Em 5 meses, 250 matrículas novas.

Por fim, é importante que você tenha em mente que conhecer bem o seu negócio e o seu cliente são pontos fundamentais para o growth hacking.

Além disso, faça muita análise, estude e invista em um time que tenha características voltadas para o resultado e inovação.

Todo problema tem solução e, muitas vezes, basta um olhar diferenciado para achar o melhor caminho. 

Ficou alguma dúvida ainda? Manda pra gente sua pergunta e vamos conversar. Valeu e até a próxima!

Gutemberg Fernandes

CEO Founder da Conexão Marketing, 12 Anos de experiência em Estratégias Digitais, co-autor do método Growth CNX, apaixonado por métricas e geração de resultados. Líder do time de prospecção inbound.

Deixe uma resposta